O Equilíbrio Neuromuscular (ENM) consiste em um tratamento que visa reduzir os problemas articulares e vertebrais por meio de uma técnica não manipulativa, isto é, por um aparelho que promove uma leve vibração ou um micro-thrust, capaz de liberar o tônus muscular a partir do sistema nervoso e sua reação reflexa.

Trata-se do equilibrador neuromuscular, com pressão de 180 gramas de vibração e frequência de 108 hertz. Essa é a pressão exata para promover a estimulação do sistema nervoso, fazendo com que o músculo relaxe e corrigindo o problema articular responsável pela dor. Esse aparelho foi calibrado pela CEREM de NIMES (França), obtendo o Test Report n.º 65.302, em 1º de julho de 1996.

Os benefícios obtidos com o ENM são o relaxamento muscular, a diminuição da dor e a volta à normalidade da amplitude articular.

Na sessão, a partir dos testes realizados inicialmente com o paciente, são promovidos estímulos através do aparelho em pontos específicos, enviando uma informação ao corpo, que a aceita e desencadeia o seu processo de equilíbrio, tomando por base o princípio da autocura.

Indicações:
  • Dores nas articulações
  • Tendinites, Bursites
  • Cefaleias
  • Dores musculares
  • Dores nos pés (esporão, fasceite)

É um método eficaz, recomendado a todos, desde crianças até idosos, e especialmente aos atletas.

Edward Bach foi um médico de Harley Street, bacteriologista e pesquisador bem conhecido, que identificou 38 estados negativos da mente e criou uma essência floral ou de planta para cada um deles. Passou os últimos anos de sua vida num pequeno chalé chamado Mount Vernon e ali concluiu suas pesquisas. Hoje Mount Vernon é mais conhecido como The Bach Centre (O Centro Bach) e os atuais responsáveis continuam a produzir as tinturas-mãe (o primeiro processo na elaboração dos Florais) utilizando em muitos casos os mesmos locais identificados por Dr. Bach nos anos 30.

A terapia com Florais de Bach visa obter o equilíbrio emocional por meio de compostos energéticos denominados essências florais. Cada essência é indicada para uma emoção específica ou um conjunto de emoções, de acordo com as características afins entre a flor da qual a essência é produzida e o paciente. O floral nada acrescenta à pessoa, apenas reativa a característica que ela possui.

Somente a Assinatura Bach garante a aquisição dos Florais de Bach originais, elaborados como sempre foram, desde os tempos de Dr. Bach, com tinturas produzidas exclusivamente no The Bach Centre, em Mount Vermon.

A Leitura Biológica é uma técnica proposta pelo osteopata e microkinesiterapeuta belga Emmanuel Corbeel, baseada no estudo da filogênese, da embriologia, da ontogênese e da etologia animal (estudo do comportamento animal), inspirada principalmente nas pesquisas do Dr. Ryke Geerd Hamer, médico oncologista alemão inventor da Nova Medicina Germânica.

Foram de imenso valor para a construção desta técnica os estudos sobre a construção da vida no planeta e sobre o desenvolvimento biológico dos seres vivos, desde os seres unicelulares até o ser humano, seus comportamentos, seus programas arcaicos de sobrevivência associados ao estudo transgeracional, que se ocupa da transmissão das informações memorizadas para as gerações seguintes. "Nós humanos somos um com a natureza e um com toda a criação".

A memorização da informação é sempre necessária para que haja aprendizado e evolução. A cada experiência de vida, a informação se acumula e é automaticamente replicada e passada para os descendentes. A nossa história de vida está relacionada também com a memória do nosso clã familiar e isto explica de que forma as memórias de conflitos não resolvidos são passadas para as gerações futuras.

A pesquisadora francesa Josie Kromer, apaixonada pelo comportamento animal e pelo estudo transgeracional, também contribuiu para a elaboração da Leitura Biológica, explicando o impacto da vivência das gerações precedentes nas nossas vidas. Josie desenvolveu uma ferramenta muito interessante chamada de grade de lealdade familiar ou grade de concepção, que fornece informações sobre as gerações que nos precederam dependendo da nossa ordem de nascimento, isto é, de nossa posição nessa grade: "O individuo está inscrito no seu clã familiar, o clã inscrito na espécie e a espécie inscrita na vida".

Muitos biólogos e pesquisadores contribuíram para esta técnica, porém, sem dúvida o trabalho científico do Dr. Ryke Geerd Hamer é a maior contribuição de todas e constitui a base de todo o trabalho.

Para o Dr. Hamer, a percepção do meio ambiente num momento de estresse constitui a base da Nova Medicina. Durante uma experiência traumática fazemos uma memorização do meio ambiente, que irá influenciar nossa saúde.

Dr. Hamer descobriu cinco leis biológicas que explicam a causa, o desenvolvimento e a cura natural das "doenças" baseadas em princípios biológicos universais. De acordo com estas leis biológicas, as chamadas "doenças" não são o resultado do mau funcionamento ou doenças malignas do organismo, mas sim "um programa biológico especial da natureza" (SBS), criado para ajudar um indivíduo durante um período de sofrimento emocional e psicológico.

Na natureza temos diferentes programas em função da evolução e da filogênese. São programas arcaicos, necessários à sobrevivência. Por exemplo, o sono reparador é uma necessidade para todo ser vivo, assim como a demarcação de território, o farejar do perigo (pressentir), a separação (na natureza, é imperativo cuidar do filhote), o mostrar as presas (uma antiga forma de dissuasão), a camuflagem e etc. Porém, diante de um hiperestresse, programas especiais são acionados.

O Dr. Hamer afirma que os “programas biológicos especiais da natureza” (as doenças) são comuns a todos os seres vivos e são armazenados ao longo da evolução. Estes programas são iniciados após um hiperestresse, um choque emocional, que ocorre fora do campo da consciência, quando se dá uma inibição da ação. A doença é definida como um acontecimento agindo em três níveis (psiquismo – cérebro – órgão) e obedece a cinco leis biológicas. Por meio do estudo de muitas tomografias computadorizadas, o Dr. Hamer observou manchas redondas no cérebro que lembravam “alvos”, localizadas em níveis cerebrais específicos, relacionados aos sintomas e ao tecido do órgão atingido. Essas informações permitiram-no mapear todo o cérebro. Dependendo da localização destes pontos no cérebro, pode-se dizer qual o tipo do conflito sofrido pelo indivíduo, qual o tecido em sofrimento (conjuntivo, nervoso, ósseo, muscular, epitelial) e qual parte do corpo esse estresse irá atingir, desencadeando uma "doença”.

Cada pessoa sente e reage às situações difíceis da vida de maneiras diferentes. Essas respostas irão afetar os órgãos se a pessoa se encontrar diante de uma impossibilidade de reação e os seus sintomas serão as pistas que auxiliarão o terapeuta a reencontrar o conflito vivido. O papel da Leitura Biológica é trazer a resposta do inconsciente para o consciente ativando a autocura do organismo.

Existe uma relação direta entre o psiquismo arcaico de um ser vivo, a expressão do programa biológico no tecido do órgão correspondente e a área específica do cérebro. Para uma mesma patologia (doença) são sempre as mesmas áreas cerebrais que são envolvidas, tanto no homem como no animal. Os sintomas têm uma razão biológica.

Estes programas biológicos arcaicos seguem a lei bifásica da natureza acompanhando o ciclo dia/noite (sistema simpático – parassimpático).

De dia estamos em atividade e o sistema de controle que gera este estado de vigília é o sistema simpático (parte do sistema nervoso autônomo). Ao contrário, à noite a atividade é reduzida e o sistema parassimpático (parte do sistema nervoso autônomo) se encarrega da recuperação.

O Dr. Hamer constatou também que, diante de um hiperestresse, o modo preferencial de resposta varia segundo a polaridade de nascimento (lateralidade). Definiu o hemicórtex esquerdo como feminino e o hemicórtex direito como masculino, cada um destes hemicórtex produz uma resposta própria ao estresse. Por isso, após um mesmo conflito hiperestressante, os destros e os canhotos dos dois sexos expressarão respostas biológicas diferentes.

Hemicórtex – o cérebro humano é dividido em dois lados (dois hemisférios), direito e esquerdo e a última camada é chamada de córtex cerebral, portanto, hemicórtex é o córtex cerebral de um lado do cérebro.

“A doença é uma interação significativa entre a psique, o cérebro e o órgão”. (Dr. Hamer)

Criada no século passado pelo médico americano A. T. Still, a osteopatia se caracteriza por ser uma medicina manual não invasiva e não medicamentosa.

Reconhecendo a importância da ligação entre a estrutura do corpo e sua forma de funcionar, os osteopatas focam na restituição da mobilidade do sistema musculoesquelético, visceral e craniossacral como chave para a saúde de todas as partes do corpo.

O sistema musculoesquelético é formado por ossos, ligamentos, tendões e músculos. O sistema visceral é formado pelos órgãos internos, isto é, pulmão, intestinos etc. Por sua vez, o sistema craniossacral envolve a mobilidade dos ossos do crânio e do sacro regulada pelas meninges.

“Onde existe vida, existe movimento”.

Desde a menor célula até o maior osso, toda a anatomia está viva e em constante movimento: a circulação sanguínea, a drenagem linfática, e até o liquor (líquido encefalorraquidiano) oscilam, o coração bate e a caixa torácica se expande e contrai a cada respiração. Cada órgão se movimenta de acordo com sua função e cada estrutura tem sua própria atividade rítmica. Esta é a anatomia viva que o osteopata sente em suas mãos. Quando tais movimentos se tornam prejudicados, os tecidos não funcionam como deveriam, e como resultado de tais alterações de mobilidade, surgem sintomas e possivelmente doenças. Quando o corpo se movimenta de forma equilibrada, a saúde existe.

O osteopata tem como característica uma grande habilidade no manuseio dos tecidos do corpo, colocando-os em harmonia e devolvendo o movimento equilibrado e a vitalidade do organismo.

“O paciente é um ser total, uma unidade dinâmica de funcionamento”.

A osteopatia considera cada pessoa um ser indivisível e utiliza um toque altamente desenvolvido para identificar áreas em disfunção.

Por não dividir o corpo em partes separadas, a osteopatia considera que o mau funcionamento de uma parte pode ter repercussões à distância e utiliza então, o conhecimento da anatomia, da fisiologia e da biomecânica para manipular e mobilizar estes tecidos. Para solucionar um problema em um local específico, o osteopata pode necessitar realizar o tratamento no próprio local ou à distância.

O tratamento é direcionado para o organismo doente e não para a doença, através da restituição do movimento vital dos tecidos, a saúde e o bem estar são recuperados.

“Mobilidade é a única coisa em comum entre todas as partes do corpo”.

Através do tratamento das disfunções apresentadas em diferentes partes do corpo, o osteopata visa repercutir positivamente no funcionamento do sistema nervoso, circulatório e linfático. Tem como objetivo também estimular o poder curativo inerente do organismo e influenciar nos sintomas e nas doenças.

O tratamento é indicado a todos, desde os recém-nascidos até os idosos. Os problemas físicos, como dores na coluna, ciáticas, hérnias de disco, problemas posturais, lesões esportivas e repetitivas do trabalho, dores articulares, cefaleias (dores de cabeça), fibromialgia, disfunções temporomandibulares (ATM), são indicações para o tratamento. Além destes, também são indicações as bronquites, constipação intestinal, alterações digestivas, perturbações do sono, síndromes neurológicas, autismo, convulsões, problemas pediátricos, refluxo do bebê, irritabilidade, constipação, entre outros.

Muitas vezes, é possível diminuir o tempo de uso de medicamentos e evitar algumas cirurgias.

A medicina osteopática é uma forma muito eficaz de tratamento, porém não substitui a medicina clássica e a homeopática, apenas as complementa. Trabalha muitas vezes em equipe e respeita as outras opiniões médicas.

A Programação Neurolinguística inclui os três componentes mais influentes envolvidos em produzir experiência humana: a neurologia, a linguagem e o padrão. O neuro, o qual reconhece que todo comportamento nasce de processo neurológico; o linguístico, que indica que usamos a linguagem para ordenar pensamentos e comportamentos e nos comunicarmos com os outros; e a programação, que se refere à maneira como organizamos nossas ideias e ações, a fim de produzir resultados.

O Professor Gerald Edelman, ganhador do prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina, passou trinta anos pesquisando o funcionamento do cérebro. Ele conclui que arranjamos dez bilhões ou mais de células cerebrais e nervosas em grupos, a fim de formar "mapas" que respondem pela nossa experiência. Esses mapas nos permitem compreender o mundo e a nós mesmos. As conexões entre as células que são frequentemente estimuladas sobrevivem e prosperam, enquanto outras atrofiam ou são desviadas para outras tarefas. Ele declara: "É um caso simples de contatos que quando funcionam de novo, funcionam melhor".

A fobia é um bom exemplo de como funciona o cérebro. Uma situação particular ou um gatilho (altura, aranhas, etc.) produzem uma reação física particularmente forte (palmas suadas, respiração acelerada, pânico, etc.). O cérebro aprende rapidamente e depois disso, a cada vez que a pessoa é apresentada ao mesmo estimulo, seu corpo sabe que deve ter a mesma reação. O surpreendente é que as pessoas com fobias nunca se esquecem de manifestar essa mesma reação. Isso é uma estratégia perfeita de aprendizado do passado!

Do mesmo modo que esse padrão automático nos cria dificuldades na fobia, ele funciona a nosso favor quando nós amarramos os cordões do sapato, dirigimos o carro ou fazemos um milhão de outras coisas sem ter que pensar.

Um ponto importante a perceber é que nossa experiência é criada pela combinação dessas representações internas que formam padrões ou "programas" que se repetem. Esses padrões ou hábitos ocorrem repetidas vezes a não ser que sejam interrompidos ou redirecionados. É como um disco que toca a mesma canção, a menos que você grave outra.

A PNL nos ensina a pensar sobre soluções. Com a PNL, você pode mudar o pensamento, sentimentos, comportamento e até mesmo crenças, para obter uma mudança pessoal profunda e para ajudar os outros a obter mais recursos e se tornarem mais eficazes. O sucesso pessoal e profissional de cada um de nós depende da capacidade de nos comunicarmos eficazmente conosco e com os demais.

Atualmente, não se discute a existência dos ritmos respiratório e cardiovascular, que foram exaustivamente estudados e comprovados há muitos anos. Mais recentemente foi descoberto um terceiro ritmo: o ritmo respiratório primário. Cientificamente comprovado, trata-se de um sistema contido dentro de uma membrana que envolve o cérebro e a medula, a dura-máter. É dentro dela que ocorre a produção, a circulação e a reabsorção do líquido cefalorraquidiano (LCR). Esse sistema vital de proteção influencia o funcionamento e desempenho do cérebro e da medula. Um bloqueio ou desequilíbrio no sistema craniossacral pode trazer problemas nos níveis sensorial, motor e neurológico, bem como estresse, dor crônica, distúrbios de sono, entre outros.

O princípio desta técnica foi descoberto pelo médico osteopata Willian Gardner Sutherland em 1939. Mais tarde, o médico osteopata John Upledger, pode confirmar a existência deste ritmo durante uma cirurgia realizada em 1970.

Pela primeira vez foram capazes de explicar, em termos científicos e práticos, a função do sistema craniossacral. Também demonstraram como esse sistema podia ser usado para avaliar e tratar disfunções envolvendo o cérebro e a medula, assim como uma série de problemas de saúde que eram anteriormente mal compreendidos.

O equilíbrio do sistema craniossacral é de fundamental importância para o organismo. A determinação do equilíbrio deve observar as variáveis como, por exemplo, frequência, amplitude e qualidade do ritmo de pulsação.

Durante a sessão, o terapeuta efetua toques sutis para identificar e corrigir os desequilíbrios no sistema craniossacral. Isso é feito através do acompanhamento do ritmo LCR. Estes movimentos podem ser detectados em qualquer parte do corpo, porém com mais facilidade no crânio, no sacro e no cóccix.

Benefícios:
  • Alívio de dores e tensões crônicas
  • Redução da ansiedade
  • Melhoria da saúde global
  • Fortalecimento do sistema imunológico
  • Resistência a doenças
  • Alívio de bloqueios e dores dos movimentos dos ossos do crânio, coluna vertebral, o sacro, o cóccix e pelve
  • Regulação do sistema nervoso autônomo
  • Relaxamento profundo
Indicações:
  • Dor crônica
  • Fadiga
  • Enxaquecas
  • Desordens e/ou desequilíbrios no sistema nervoso central
  • Dificuldades emocionais
  • Síndrome da articulação temporomandibular (ATM)
  • Problemas relacionados ao estresse e tensão
  • Transtorno por estresse pós-traumático
  • Distúrbio de sono
  • Desordens em recém-nascidos
  • Problemas ortopédicos
  • Dificuldades na coordenação motora
  • Dificuldades de aprendizagem